Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > Ministério da Educação
Início do conteúdo da página
Educação no Ar

Cadastro nacional de superdotados fornecerá dados para a formulação de políticas públicas

  • Quinta-feira, 04 de janeiro de 2018, 10h00

Para atender a todos os estudantes superdotados do país, o Ministério da Educação trabalha na criação de um cadastro nacional com as principais informações sobre eles. A intenção é criar políticas públicas que alcancem esse público e auxiliem no melhor desenvolvimento dessas habilidades especiais. Para falar mais sobre o tema, o programa Educação no Ar conversou com a pesquisadora Olzenir Ribeiro, do Instituto Expert Brasil. O programa, exibido pela TV MEC, vai ao ar nesta quinta, 4 de janeiro, às 9h30.  

Mestra e doutora em educação e especialista em gestão de instituições educacionais pela Universidade Católica de Brasília, Olzenir atua na área de concentração de ensino e aprendizagem com estudos em desenvolvimento nas áreas da criatividade e de altas habilidades. Ela coordenou o Núcleo de Atividades de Altas Habilidades e Superdotação no Distrito Federal (NAAHS) e atuou na consultoria aos estados para implantação do atendimento especializado de estudantes superdotados.

Para ela, os desafios na educação dos estudantes com altas habilidades são inúmeros e se dividem, principalmente, entre a família e a escola. “O mais sério, instigante, provocante, e que vem causando maiores problemas na educação escolar, é a identificação pelo professor do perfil desse aluno, pela capacidade rápida de aprendizagem”, observa. Já na família, o que mais angustia os pais é a intensa curiosidade dos filhos superdotados e a não aceitação de rotinas. 

Para a pesquisadora Olzenir Ribeiro, o professor deve permitir que o superdotado dirija o próprio aprendizado (Foto: Frame/MEC TV)

Recentemente, Brasília sediou o Encontro Nacional de Formação Continuada para os Núcleos de Atividades de Altas Habilidades e Superdotação, quando a criação do cadastro foi debatida. Para a pesquisadora, o cadastro terá como diferencial o levantamento de números para nortear as políticas públicas.

Sobre as discussões em torno do uso do termo superdotação ou altas habilidades, Olzenir afirma que ficam concentradas no campo teórico, já que a superdotação indica que um contingente da população tem aprendizado acima da média. Ou seja, uma alta habilidade em alguma área.

Estímulo – A pesquisadora defende ainda que para estimular o aprendizado desses estudantes “basta que o professor entenda que ele é diferenciado e permita que ele dirija o seu aprendizado.”

O Censo Escolar de 2016 registrou quase 16 mil estudantes com superdotação em todo o país.   

Assessoria de Comunicação Social

 

X
Fim do conteúdo da página