Portal do Governo Brasileiro
Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > Todas as notícias > Há vagas para capacitação nos Estados Unidos, Canadá e Irlanda
Início do conteúdo da página
Educação superior

Projeto de formação beneficia 60 comunidades na Amazônia

  • Segunda-feira, 15 de outubro de 2018, 11h24
  • Última atualização em Segunda-feira, 15 de outubro de 2018, 15h42

Para assegurar aos professores do interior da Amazônia o acesso a cursos de formação inicial e continuada por meio das novas tecnologias, a Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes), autarquia vinculada ao Ministério da Educação, vai levar a Universidade Aberta do Brasil (UAB), a partir de novembro, a 60 comunidades ribeirinhas do Rio Juruá, no extremo oeste do Amazonas.

 “A iniciativa integra áreas isoladas da região para atuar na formação de professores e técnicos educacionais”, explica o coordenador de programas de cursos e formação da Diretoria de Educação a Distância da Capes, Carlos Estevam Marcolini. “É a primeira vez que a Capes está entrando profundamente na Amazônia. São comunidades que nunca tiveram acesso à educação superior. Por meio da UAB, serão ofertados cursos em plataforma totalmente online”.

O projeto-piloto é vinculado ao programa federal Amazônia Conectada, do Ministério do Exército, e pretende integrar áreas isoladas da região com uma fibra ótica subfluvial. Inicialmente será implantado no município de Carauari, onde existem duas unidades de conservação: a Reserva Extrativista Médio Juruá, vinculada ao Ministério do Meio Ambiente (MMA), e a Reserva de Desenvolvimento Sustentável de Uacari, vinculada à Secretaria de Estado do Meio Ambiente do Amazonas.

A UAB será responsável pela formação de professores na modalidade a distância. A intenção é melhorar a qualidade do ensino nas comunidades ribeirinhas. A estruturação dos cursos vem sendo feita há dois anos e, em novembro, profissionais da Capes visitarão o local pela última vez antes do início das atividades, em janeiro.

O trabalho será realizado em duas frentes: uma voltada à formação inicial de futuros professores e outra à formação continuada daqueles que já atuam nas escolas da área rural. A primeira oferta o curso de pedagogia do campo, cujo projeto foi desenvolvido especificamente para comunidades situadas em unidades de conservação.

Qualidade – A longo prazo, a ação se transformará em economia para a prefeitura local, pois não será mais necessário o deslocamento de professores da sede do município. O trabalho também representa a garantia de educação de qualidade, com respeito à identidade das crianças que cuidarão das florestas no futuro. O curso, conduzido pela Universidade do Estado do Amazonas (UEA), na comunidade Bauana, terá duração de quatro anos e oferecerá 55 vagas.

Na linha de educação continuada, o Projeto Escolas Ribeirinhas Sustentáveis é uma proposta de ação de educação ambiental junto às escolas ribeirinhas, no contexto do bioma Amazônia. Está sendo considerada a determinação da Base Nacional Comum Curricular (BNCC), de que a integralização curricular poderá incluir, a critério dos sistemas de ensino, projetos e pesquisas envolvendo os temas transversais. Aqui, o tema a ser desenvolvido será ‘água’, de forma multidimensional.

As referências para a execução desse trabalho encontram-se em conhecimentos científicos, saberes tradicionais e originários, além de pesquisas, práticas e intervenções locais sustentáveis e prevenção de desastres. Os conteúdos incluem as mudanças do clima e educação para a redução de riscos, com vistas à prevenção de desastres hidrometeorológicos. Também haverá atividades práticas, denominadas “ecotécnicas”, sobre saneamento, captação, monitoramento e filtragem de água.

Referência – A ação será desenvolvida durante dois anos pelo Instituto Federal do Amazonas (IFAM), em parceria com MEC, MMA e outros órgãos. O público-alvo são os 68 professores de 36 escolas ribeirinhas, envolvendo aproximadamente mil alunos. O objetivo é tornar a iniciativa uma referência para outras localidades da Amazônia e outros biomas brasileiros cujo desafio seja educar as populações extremamente isoladas.

O foco da UAB é capacitar as pessoas do interior do estado a contribuir para o desenvolvimento da região. Os cursos, ministrados a distância por 135 instituições de educação superior, já atenderam mais de 220 mil alunos em todo o Brasil. Hoje existem cerca de 800 polos de educação a distância.

Formação – A Capes tem outros três programas que contribuem para a formação inicial e continuada de professores. O Programa de Iniciação à Docência (Pibid) possibilita aos estudantes da primeira metade do curso uma aproximação prática com a rotina das escolas públicas e, desde 2009, já atendeu a mais de 200 mil licenciados desde 2009.

Também em operação desde 2009, o Programa Nacional de Formação de Professores da Educação Básica (Pafor) permite capacitar os profissionais do magistério que lecionam na rede pública e não têm formação específica na área em que atuam em sala de aula. Atualmente, o Pafor já tem registradas mais de 2,9 mil turmas, com cerca de 94 mil professores matriculados e 44 mil formados. São docentes de 3,3 mil municípios, 510 dos possuem turmas em atividade.

O programa Residência Pedagógica, por sua vez, busca o aperfeiçoamento do estágio curricular supervisionado a partir da segunda metade da licenciatura e, em 2018, ofereceu 45 mil bolsas.

Assessoria de Comunicação Social

 

X
Fim do conteúdo da página